My Same

9 mar

Sabe quando bate aquela saudadinha boba que você sabe que é besteira, mas ainda assim aquilo fica com você o dia inteiro? Talvez até um pouco mais?

Acho que todo mundo sente saudade o tempo todo e ela é desencarrilhada por coisas tão simples: uma música, uma cena de filme, um livro, algo que alguém disse ou algo que você pensou. Nós sentimento saudades das mais mínimas coisas como de um personagem fictício que você se apegou ou das maiores coisas… como sua amiga que está meio longe.

 

(como diz o video: Adele fez a música pra melhor amiga dela, pra falar um pouco de o quão diferente e o quão parecidas elas são…)

 

Fazendo feira

5 mar

Aqui perto de casa, no boulevard Richard Lenoir, quinta e domingo, é montada a feira mais maravilhosa que já vi. Ok, talvez existam outras melhores em Paris, mas essa tem a vantagem de estar aqui perto. E quando eu digo “feira”, quero dizer…mercado a céu aberto.

Bom, para quem está acostumada com as feiras do Rio de Janeiro, levei um susto quando fui pela primeira vez. Às oito e meia, os feirantes ainda estavam chegando e colocando os produtos à venda. Bom, o sol tinha nascido havia só meia-hora, mas mesmo assim… Como dá para ver nessa foto, a feira não vende só produtos hortifrutigrangeiros (ufa!). Várias barraquinhas vendem malas, lenços, bijuteria, meias… Por isso eu disse que era um mercado mesmo, tem de tudo um pouco.

Quando o tempo está bom (como era o caso do domingo em que eu tirei essa foto), aparecem várias modalidades de artista de rua. O tocador de realejo, para mim, é uma espécie digna de nota (assim como seu fiel assistente, que não economizava em alegria para quem dava um troco).

O mais legal é poder comprar direto de quem produz. As azeitonas são só um exemplo: fresquinhas, juro que têm um gosto diferente. Além de serem incrivelmente macias. Para quem gosta de cozinhar peixe, é um prato cheio também: fresquinhos, variados… Assim como os cortes de carne vermelha (um pouco mais caros). Um dia, compramos uma linguiça fresca de frango para fazer cachorro-quente, e também já nos aventuramos nos legumes. A abobrinha comum por aqui, por exemplo, tem a casca mais escura, mas foi uma delícia de cortar e de cozinhar.

Para quem é do time dos preguiçosos (oi!), opção também não falta, já que várias barracas vendem alimentos prontos, como chucrute, pães (lindos), saladas e até mesmo carnes. Confesso que estou namorando o frango assado há algum tempo…

Paris-Londres-Paris

27 fev

Não existe nada como pegar o Eurostar para cruzar o Canal da Mancha. Primeiro porque a experiência toda da viagem de trem é muito mais agradável do que a de avião. As poltronas, mesmo na classe standart, são muito mais confortáveis, o ar não é aquela coisa seca, não tem pressurização da cabine… Sem contar que depois você pode se divertir apavorando as pessoas ao dizer que o túnel fica a 100 metros da superfície do mar (beijo, mãe!).

Além disso, o trem, por mais que tenha uma inspeção de passaportes e um controle de segurança com raio-X, não chega aos pés da chatice que é embarcar em um aeroporto. Se você colocar na ponta do lápis o tempo que leva para fazer check-in, passar pela inspeção, embarcar, e depois desembarcar, passar pela inspeção de segurança etc etc etc, acaba que a viagem de trem é mais rápida.

Outra vantagem enorme de se fazer o trajeto de trem é a facilidade de transportes. Você sai de um hub de transportes de uma cidade para a outra em duas horas e meia, mais ou menos (foi o tempo que levamos da Gare du Nord, em Paris, para a St. Pancras, em Londres). Não importa em qual sentido você faça o trajeto, o legal é que você tem acesso ao metrô ali mesmo, e pode seguir para o hotel sem problema nenhum (considerando que sua mala seja de um tamanho razoável e que você consiga subir e descer escadas com ela, é claro).

A cidade já está no clima dos Jogos Olímpicos, e eles estão bastante orgulhosos do trabalho que estão fazendo. Afinal, Londres 2012 pretende ser “the greenest Olympic games ever”, e eles fazem questão de divulgar todos as medidas que estão sendo tomadas para garantir que o evento tenha o menor impacto possível no meio-ambiente. O que só faz ficar mais engraçado a afirmação de um membro da organização de que eles esperam que a organização de Rio 2016 realmente coloque em prática tudo que eles estão batalhando para conseguir concretizar.

Eu que fiz!

23 fev

Não, eu não vim mostrar ou falar de esmalte.

Na verdade, eu vim falar de comportamento… Sou uma daquelas menina sem o minimo de coordenação motora e nunca tinha pintado minhas unhas sozinha, em vez disso, passava dias e horas sofrendo quando o esmalte ficava ruim e a manicure não tinha horário, era aquela agonia que só! O esmalte fica ruim e você automaticamente se acha mendiga.

Hoje falando com a Jules no chat do Facebook sobre isso ela mandou um ‘vai treinando’ pra mim e bem, como eu não tinha mais bulhufas pra fazer, lá fui eu: trocar meu esmalte. Foi um trabalho de uma hora SÓ pra pintar e limpar mas fui eu que fiz! Ó! Ficou bonitinho né?

Duende da Colorama e Blue Metal da Arezzo no dedinho

Será que meus dias de agonia acabaram?

Degradê

13 fev
Unhas Degradê

Unhas Degradê

Essas são minhas unhas da semana, por aqui todas as menininhas legais que não falavam comigo na escola estão usando essas unhas em degradê (mentira, aquelas patricinhas sem imaginação só usavam francesinha de piriguete) e elas apareceram em vários desfiles e revistas de moda e patati patata.

As minhas foram meio improvisadas: elas quebraram aí eu usei um esmaltesinho sem graça que a manicure tinha chamado Licor de Cassis da Colorama e tipo, 2 dias depois eu cansei deles e não queria ficar sem esmalte ( porque eu não tenho coordenação motora suficiente pra pintar sozinha) então peguei esse glitter amor da Arezzo e fui brincar com ele, saiu isso da foto.

Continuar lendo

Meia-noite e um domigo em Paris

12 fev

Passei boa parte do dia de hoje fora de casa. Domingo está virando cada vez mais o dia do descanso e de acordar se hora, então há algumas semanas temos descido para tomar um brunch no restaurante embaixo do nosso prédio. Mas hoje resolvemos ir até o Café Hugo, na Place des Vosges, para experimentar a fórmula de lá e acabamos preferindo o daqui mesmo. Depois, fomos bater perna no Marais, que apesar do frio estava bem movimentado.

Na volta pra casa, o assistimos Meia-noite em Paris, e foi uma delícia revê-lo. Paris está longe de ser só o que o filme mostra, tanto em coisas boas quanto em coisas ruins, mas pra mim o filme tem um ar de homenagem e crítica à nostalgia que gosto bastante. Nem todo mundo tem uma golden age em que gostaria de ter vivido, mas serve também como um lembrete de que a grama do vizinho é sempre mais verde…

Macacos Árticos em Paris

5 fev

Ontem foi um dia bem diferente da rotina, mesmo para um sábado. Afinal, ontem foi dia de show!

Com os ingressos comprados ano passado e devidamente impressos, saímos de casa, compramos um crepe na lojinha da esquina e pegamos o metrô rumo a Porte de Pantin, estação mais próxima do Le Zénith, local do show. No site, havia um aviso de que as portas só abririam uma hora e meia antes do horário marcado para o show – a gerência pede que as pessoas não cheguem cedo demais, especialmente quando as condições climáticas estão adversas.

previsão do tempo...devidamente concretizada

Atendendo à indicação, nos programamos para chegar lá perto das 18:30, já que o show começaria às 20h. Claro que já encontramos uma fila, mas nada de apavorante. Os portões demoraram um pouco ainda para abrir, mas o espaço era fechado e bem aquecido, e escolhemos ficar na parte da arquibancada, então a espera foi bem confortável. Continuar lendo